ócio feelings

24.6.10
Pablo Rodríguez diz:
Menino, bafão. sabia que se você colocar arroba no link do twitter, tipo www.twitter.com/@pahby, você consegue acessar?

Pablo Rodríguez diz:
USANDO O ARROBA E TUDO

Renan F. Moises diz:
Bafão

Renan F. Moises diz:
Sabia disso, não.

Pablo Rodríguez diz:
É. Nem eu.

Pablo Rodríguez diz:
Pra você ver. Achei fino.

Pablo Rodríguez diz:
Só vou passar o endereço com arroba agora.

Renan F. Moises diz:
Rsrs

Pablo Rodríguez diz:
Gente, será que eu que descobri isso?

Pablo Rodríguez diz:
Será que eu sou o descobridor do link com arroba?

Pablo Rodríguez diz:
Cara, essa pode ser minha primeira grande descoberta importante na vida.

Renan F. Moises diz:
Vc descobriu agora?

Pablo Rodríguez diz:
É. Nesse exato momento. Minha existência acaba de ganhar um proposito.

Pablo Rodríguez diz:
Eu nasci para descobrir o endereço eletrônico que funciona com arroba, Renan.

Pablo Rodríguez diz:
É. Pois é. Sinto muito, Pedro Alvares Cabral.

UPDATING: achei a senha

23.6.10
Amigo diz:
rsrs pqp, me mata não, cara.

Amigo diz:
Diz aew!

Pablo Rodríguez diz:
A SENHA NOVA É chiquititas01 :D

Amigo diz:
Não...

Pablo Rodríguez diz:
Juro. por. deus.

Amigo diz:
vc n fez isso

Pablo Rodríguez diz:
FIZ SIM :D

Pablo Rodríguez diz:
*PODE TESTAR. O que tem?

Amigo diz:
pqp

Pablo Rodríguez diz:
hehe eu ein. nem pra dizer um obrigado. olha, você que não me peça mais um nada nessa vida. tô super chateado. tchau.

a senha

Um amigo bem veio me pedir pra trocar a senha do e-mail da namorada dele. Quer dizer, alguém veio me pedir um favor. Enfim. Parece que o ex namorado da menina invadiu o orkut dela e deu uma bagunçada nas coisas por lá. Como a menina não é de possuir muitos recursos financeiros, não tem internet em casa. Daí vem ele me pedindo pra quebrar esse galhão. Como Deus ao invés de me dar um coração me colocou uma caixinha de bondades no peito, não consegui dizer não. Bem fui lá mudar a senha da menina. Aliás, ele só me disse que ela não está com internet em casa. Isso do financeiro, eu que estou supondo. Sabe. Caixinha de bondades. he-he.

Amigo diz:
Eu jah mudei a do orkut, mas n ta dando p mudar do e-mail aki no meu pc.

Pablo Rodríguez diz:
Vou lá, pode deixar.

Amigo diz:
jah eh

(Alguns minutos depois...)

Amigo diz:
ah, eskeci de te falar, põe a senha: luci1990

Pablo Rodríguez diz:
Ih, já mudei a senha. hehe Eu mesmo que escolhi. Depois ela muda.

Pablo Rodríguez diz:
Eu sou muito criativo pra senhas.

(Alguns minutos depois...)

Amigo diz:
tava no telefone, dsculpa a demora

Amigo Diz:
kual vc colocou?

Pablo Rodríguez diz:
IH, MENINO, BEM ESQUECI DE SALVAR A SENHA QUE COLOQUEI.

Amigo diz:
Pablo...

Pablo Rodríguez diz:
ESQUECIIIII!!!!! Só sei que mudei.

(Eu pensei: vou fazer uma senha bem difícil. E num é que eu consegui? Socorro. Eu me declaro inocente.)

Pablo Rodríguez diz:
Juro. Por. Deus. PERDI A SENHAAAA

Amigo está Offline


oops.

de olho no lance

20.6.10
Olha, contar pra vocês que eu nunca que imaginei que um dia iria vir aqui para falar de um jogo de futebol. Mas vocês sabem como é. Tô sem nada para fazer, resolvi fritar uns salgadinhos e assistir ao jogo da copa. Confesso que primeiro tempo me animou nada, não. Mas num é que o segundo tempo se converteu em muita diversão, minha xente? Começou aquilo dos jogadores da Côte d'Ivoire (resolvi escrever Costa do Marfim assim porque acho mais chique) quererem quebrar as pernas de todos os jogadores do Brasil e isso foi só emoção pro meu coração. Só emoção. Toda hora vinha um negão tacando o pé nas pernas dos nossos craques, eles iam caindo, gritando e eu me contorcendo no sofá uivando de tensão. Nessas que resolvi começar a paquerar o Juiz, porque né, delicia ele era. Aí tal juiz expulsou Kaká e eu nem notei porque tava de olho nas pernas dele. Só fui notar que Kaká estava expulso para lá de dez minutos após ter acabado o jogo. O motivo: todos os jogadores estavam tirando a camisa e eu tava querendo ver Kaká sem camisa também.

- Cadê Kaká?
- Foi expulso há um tempão, Pablo.
- Ih, menino, acho que não vi, não.
- hm.

Mas tudo bem. Tudo bem. Robinho sem camisa é só gol. Fico pretérito quando ele tira a camisa. Fico p-r-e-t-é-r-i-t-o. Salve a nação. Gostei tanto disso de ser um torcedor que até procurei um time brasileiro para me dedicar a torcer quando acabar a copa do mundo de futebol. Claro que escolhi meu time me baseando nas cores do clube. Nem morto que vou andar com roupa que não combina pelo Maraca. E ao que tudo indica, eu agora sou torcedor do Esporte Clube Macapá. Adoro azul.

Saludos!

mas então.

19.6.10
Te contar que não tem sido nada fácil fazer nada o dia inteiro. Gente, eu juro: se eu passar mais uma semana só lendo e vendo televisão, eu acho que sou capaz de me inscrever até na academia. Ou numa aula de dança de salão. Tô topando qualquer coisa para não encarar mais um dia de reprises de Barrados no Baile.

Ontem, por exemplo, dei uma passadinha num bar e acabei encontrando um cara que trabalha numa escola de idiomas. Menino, num é que eu perguntei para ele sobre aulas de alemão? E é claro que eu nunca que tinha pensado em falar alemão nessa minha vida. Nem pretendo estar na Alemanha um dia. Nem prum cafezinho. Sabe. E o cara nem era professor de alemão, dá aulas de Inglês. Tire por aí o tipo de pessoa que estou me tornando.

Foi nessas que pensei que talvez pudesse, sei lá, voltar para a faculdade. Mas né, vocês sabem, isso já seria apelar demais. Nem curto apelações. Vou dar um chegue na academia e ver se tá rolando alguma turma de hidroginástica com desconto.

Saludos cordiales.

Questões

1.6.10
Tipo assim, não é hora de acordar grandes pensamentos, mas porque as pessoas que insistem em mandar correntes de e-mail são justamente aquelas pessoas que não fazem o menor sentido em nossas vidas? Cara, eu sou um alguém que está conseguindo chegar num nível, mas num nível, que já até começo a nutrir certa afeição para com algumas correntes de e-mail. Porque depois de pensar um tempo, eu percebi que esse é o único laço afetivo que ainda me une à Cidinha Bergamo, a menina que conheci na fila do show da Wanessa Camargo, em 2002.

Na boa... sei lá. Tava só precisando desabafar.

the holocausto

Parece que tem uma galera da internet que anda falando por aí que eu não sou do bem. Tudo porque estávamos num chat essa semana e no meio da conversa abriu-se um debate sobre o fato de uma amiga nossa e seu irmão, que vou chamar de Sarah, serem judeus. Daí começou o bafafá no chat dos cristãos acusando os judeus de assassinato e os judeus se defendendo dizendo que eles são o "povo escolhido"... essas coisas. Porque o lance é aquele: os cristãos acusam os judeus de terem matado Jesus, os judeus, por sua vez, jogam a culpa nos romanos e eu, inocentemente, era um dos poucos naquele chat que tava jogando a culpa nos negros. Pronto. Estão me acusando de um monte de coisas que não fazem o menor sentido.

Abro esse post para avisar a Sarah que, beleza você ser parte do "povo escolhido", mas só dá um toque no seu pai pra ele trocar o Volkswagen dele, porque fica meio chato uma pessoa que faz parte do "povo escolhido" escolher andar por aí com um carro da marca que patrocinou o holocausto. he-he. E a todos os outros, por favor, me deixem em paz. Eu não sou obrigado a acreditar que Jesus era milagreiro. É claro que ele era mágico. Der.

Fui.

familia bombs

Daí que como todo mundo sabe, eu tenho uma prima esquizofrênica na família, que já foi internada diversas vezes por dependência química, também - Não me pergunte o que uma esquizofrênica busca ao usar drogas. Ficar louca que não deve ser. A mãe dela, minha tia Eneyda, morreu de derrame há uns seis anos. O motivo? Adoro explicar: estava lá tia Eneyda lindona estendendo umas roupas no varal e de repente chega prima Isabel, com o fio do telefone na mão, prontinha para enforca-la. Tia Eneyda não pensou duas vezes e se jogou no chão, tratando logo de ter um derrame. Isabel ficou furiosa e ligou pro meu pai, numas de avisar inconveniência.

- Chamem um medico, mamãe está jogada na frente da porta, não tenho como sair para comprar cigarros. (Isabel, furiosa)

Desde então, minha tia Vera é encarregada de tomar conta de Isabel - embora essa more com Lia e Monique, uma outra tia e uma outra prima. Passados seis anos, essa semana recebemos umas noticias meio chatas. Vamos aos fatos: Tem dias que encontro Isabel na rua pedindo dinheiro e finjo que não a conheço. Assim como também tem dias que ela corre em minha direção gritando "volta aqui", não me deixando alternativa, a não ser correr dela também, gritando "quem é você?". E ficamos nessas, ela correndo atrás de mim, eu correndo dela e as pessoas correndo de mim na calçada, só porque eu sou preto. Até aí, beleza. Tenho passado por isso nos últimos 17 anos, já estou começando a me adaptar. Só é um pouco chato quando ela vai ao banheiro e esquece de se limpar, porque a realidade é que ela sempre me alcança, e sempre me abraça. Pensem nisso.

Nos últimos meses, Isabel descobriu que pedir dinheiro em bairros nobres tá dando em nada e que quem curti abrir a mão e soltar grana, é pobre. Pobre não guarda, por isso não tem, ela pensou. Foi então que resolveu se meter na favela. Ficava lá, jogando aquelas maquinas de bingo e bebendo. Pelo menos, era o que ela dizia, né amigos.

No exato dia 21/05 Isabel enfiou uma moedinha de um real na maquina de bingo do bar dessa tal favela e, menino: ela ganhou mil e quinhentos reais. Deu uns pulos de alegria e se mandou para casa para aguardar o premio. Quando as pessoas ganham altas quantias nesses jogos de caça níquel, o dono do bar tem que entrar em contato com o dono da maquina para receber o dinheiro e entregar ao ganhador do premio. Só que, sem querer me gabar com todo esse poder, tenho um familiar que trabalha no ramo. É, gente. Eu tenho. Mais especificamente com o dono daquela tal maquina. Basta juntar pablo rodríguez + esquizofrenia + caça níquel + família e jogar no google, vai bem aparecer uma foto minha sorrindo.

22/05 Isabel voltou no morro para pegar o seu dinheirinho tão suado, e havia uma FILA de pessoas na porta do bar esperando para receber dinheiro que Isabel estava devendo. Era camarada que pedia 200 de pó, era o brother cobrando 300 de heroína, e vários outros produtos inimagináveis, dentre eles, o incrível cogumelo do sol (?). Terminou que Isabel não recebeu um centavo e ainda saiu corrida da favela, tudo porque a fila estava lá pela metade e ela ainda devia altas quantias. Dia 23/05 tal familiar que trabalha no ramo caça níquel (ai, meu Deus, to sentindo que esse post vai causar problemas com a policia. eu não sei de nada) apareceu aqui em casa meio que chorando de nervoso. O que já me deixa confuso. Ou você tá chorando ou você tá nervoso, os dois juntos deixa a pessoa sem saber como te acudir. Papai recepcionou-os e não demorou dez minutos para a bomba vir a tona: os traficantes estavam indo armados fazer cobranças na casa de tia Lia.

- Daisy, tia Vera está chegando aqui em casa, deixe que eu conto para ela o que está acontecendo da melhor maneira possível. (Meu pai, dando recomendações para a minha mãe)
- Pode deixar. Não sou maluca de brincar com o coração de uma senhora que tem 80 anos de idade, Walmir. Eu sei que ela sofre de pressão alta. (Minha mãe)

15 MINUTOS DEPOIS
A campainha tocou. Minha mãe foi atender. Tia Vera no portão.

- Boom! (Minha mãe, rindo bastante)
- O que houve? (Tia Vera, confusa)
- Uma bomba estourando na família!!!
- O que aconteceu? (Tia Vera, passando mal)

Enquanto estávamos no carro, voltando do pronto socorro com tia Vera, recebemos uma ligação avisando que surgira motos e traficantes no portão de tia Lia. E que era oficial: Isabel já tinha saído correndo pelos fundos. Vocês sabem o esquema; quando quem deve não está em casa, leva tiro quem está. Panico total. Tia Vera começou a passar mal outra vez e não sabíamos se íamos dar meia volta para o hospital para salvar tia Vera que estava para infartar ou se íamos salvar o pessoal que estava para levar tiro. Resolvemos salvar tia Vera, enquanto recebíamos ligações histéricas de tia Lia, que começara a fazer seus últimos desejos:

- Por favor, me enterrem com a minha maquina de costurar, é tudo que eu mais amo.
(tia Lia, ligando diretamente do celular da filha dela)

Nessas de quase morte, prima Monique andou discando pro enteado de tia Vera pedindo ajuda e aproveitou para falar que ele nunca foi parte da família e nunca será. Não deu nem dez minutos que prima havia desligado o telefone e titia encontrou duas notas de cinquenta reais. Rumou direto pro portão com as mãos para cima e uns bobs no cabelo e conseguiu parcelar a divida em quatro vezes + a maquina de costurar. Enfim. Enquanto Monique ligava novamente para o Enteado de tia Vera...

- Alô. Mas ein, te falar, você sabe que sempre te vi como um irmão. Você sabe.

... Isabel voltava para casa como quem nada sabe e relatou que tinham umas vozes mandando ela sair batida pro quarto dela, tomar uns remédios e dormir o resto do domingo. E o mais incrível é que n-i-n-g-u-é-m falou nada. Ninguém arrancou os olhos dela com um espremedor de laranja. Agora, cortar meu cartão de credito, só porque eu passei a minha senha para um cara que conheci na internet, eles podem fazer. Não. Se é assim que eles querem, tudo bem. Ficou claro, dessa vez, que eles protegem mais Isabel - só porque ela toma remédios controlados há mais tempo que eu.

Vamos lá, Tia. Vamos lá, pai e mãe. E vovó. E Vovô. Assumam que vocês preferem Isabel. Não dá mais para esconder. Falem na minha cara.

Eu aguento mais essa. Eu sou maduro, tá.