UPDATING

27.11.09
Clarinha Rocha diz:
MENINO DE RUA

Clarinha Rocha diz:
BOYFRIEND

Clarinha Rocha diz:
AHAHAHA

Pablo Rodríguez diz:
Gente

Pablo Rodríguez diz:
foi BIZARRO, Clara

Pablo Rodríguez diz:
Vivi momentos de HORROR na orla de Copacabana.

Pablo Rodríguez diz:
Eles não querem mais o seu relógio, dinheiro e tudo que tiver nos bolsos: ELES AGORA PEDEM AMOR.

Pablo Rodríguez diz:
Socorro.

Clarinha Rocha diz:
Que PANICO

Clarinha Rocha diz:
Não quero pivetes me pedindo nada!

Pablo Rodríguez diz:
Mas já que eles nunca vão deixar de pedir, que peçam meus bens materiais.

Pablo Rodríguez diz:
Os pivetes estão aprendendo a arte do golpe do baú. Obrigado, Luciana Gimenez.

Voltei, lovers

Então, fiquei mais 5 dias sem internet. Não quero ficar dando explicações, porque não quero deixar evidente as minhas mentiras. Mas enfim. Peço por favor que a pessoa que depositou 100 reais à minha conta na semana passada mostre sua cara e me mande um e-mail dizendo quem é. Te faço tudo que pedir, sou seu. Me usa e me abusa.

Tem coisas que só acontecem comigo e quando eu venho aqui no blog contar, as pessoas duvidam e acham que é lorota. Nego fica bolado, mas é: as coisas ME acontecem. Estava eu com a Karina andando por Copacabana quando um MENINO DE RUA me chamou num cantinho pra bater um plá. Juro.

- Você não vai não, né?
- Claro que vou, Karina. Eu lá sou de ignorar as pessoas?
Fui.

Já cheguei perguntando o que ele queria, ia dizer que não tinha dinheiro não. Afinal, como vocês bem puderam ler no post passado, não tinha/tenho mesmo. E sabe... ele me perguntou se eu tinha namorado. "Tem namorado?". Cara... na real... gente, eu juro que minha barriga gelou e eu não sabia o que responder. Pablo, pensa rápido... rápido... vai, fala alguma coisa, Pablo... Apontei pra Karina.

- ELA? Sua namorada-A? (É, meu filho! Não tenho cara de quem pega mulher bonita? Que foi?)
- Uhum.
- Mas você não é gay? (Pablo, pensa rápido. Fala alguma coisa decente!!!!!!)
- É... então... sei lá. (Isso é decente? Fala mais alguma coisa, Pabloo!!!) Enfim... né. Acho que eu sou meio bi. (Fala mais nada não! Fala mais nada nãããooo!!!!)
- Eu queria te dar uns beijos. (Pablo, CORRÊEEEEEEEEE!)

E pronto. Não conseguia falar mais nada mesmo. De boa, pensem; se um menino de rua te diz que quer te dar uns beijos, você vai falar o que? Que NÃO? Dizem que é pra não dar dinheiro, aí eles vem e te pedem um beijo e você tem que negar também? Fiquei confuso. Por toda a minha vida NUNCA (é sério, n-u-n-c-a!) tinha imaginado passar por esse tipo de situação. Eu adorava jogar aquele jogo de "Verdade, Conseqüência ou Situação" com a galera e inventar as situações mais bizarras, do tipo: "Entre dar a volta ao mundo usando sandálias da Xuxa super apertadas ou viver cinco anos da sua vida ouvindo a mesma musica da Elba Ramalho no ultimo volume 24hrs por dia, o que você escolheria?". Mas tipo... nunca fui tão longe a ponto de pensar nisso. Já até tinha pensado em beijar mendigos. Mas menino de rua é muito moderno. Eu durante anos duvidei das palavras da galera evangélica, mas agora é oficial: o mundo vai mesmo acabar porque vai GERAL virar bicha. Até os meninos de rua. Reflitam.

- Ah... não vai rolar hoje. (COMO ASSIM NÃO VAI ROLAR HOJE? AMANHÃ ROLARIA? OU ONTEM? PABLO, CALA A BOCA! PELO AMOR DE DEUS!!!!)
- hmm, mas ó... é um segredo nosso.
Ok. Eu ia contar pra quem? Pro menino do sinal?

Então, ele saiu andando e virou uma esquina. Passei o resto do dia pensando se ele não seria Deus encarnado num menino de rua, tipo acontece SEMPRE naqueles especiais de Natal da Xuxa. Se Deus fosse, to fodido. Neguei um beijo pra Deus e ainda fui pensando em negar dinheiro. Ou seja, pra crianças carentes não to dando nem carinho, nem dinheiro. Aliás, eu não tenho dado nada pra ninguém e é por isso que estou cada dia mais amargo.

Chocolate meio-amargo não é a minha. Quero ser chocolate... ao leite.

Climax

20.11.09
Gente, eu sou o REI do climão. Contar para vocês que ontem me meti numa festa onde metade das pessoas hoje em dia me odeiam e dizem que sou falso. Até aí tudo bem, me odiar qualquer um pode, não posso ficar tentando evitar que me odeiem - apesar de querer que todos me amem. Fala sério. E ser falso eu sou um pouco mesmo e acho que quem não é precisa URGENTE de um tratamento. Tem que ser em certos momentos. Eu achava que não era e, oops, eu sou. Enfim. Entrei na pista de dança e vi foi é gente saindo para respirar e comentar minha presença. No decorrer da noite eu fiquei um tempão querendo me matar, tudo porque nego JURA que está abafando fazendo cara de marajá e eu surto nessas coisas. SURTO. Digo, me matar porque tava rolando mesmo era aquele sentimento de constrangidoforyou. INJEÇÕES DE VERGONHA ALHEIA. Um monte de gente que eu pensava que já havia superado certas coisas e tá lá, na mesma. Chato isso. É, um pouco falso e bastante venenoso. E eu sei que vocês me amam por isso.

Quero contar uma coisa que aconteceu domingo passado para vocês e estou sem tempo, tudo porque preciso começar a me arrumar para ir à uma baladinha QUENTE que vai ter hoje. Odeio pagar de celebre, mas estou indo vipado. E não me invejem, se assim não fosse, nem sair de casa iria. Tenho catado moedas de ontem para comprar o pão de amanhã. Queria muito poder sair esse final de semana de feriadão e num sei não. Se quiser e puder me ajudar, sem piada, minha conta no Itau é agencia 0284 conta 55637-0. Qualquer quantia será muito, mas muito, bem vinda. Obrigado.

Obras e reformas.

19.11.09
Minha mãe inventou umas obras aqui para nossa casa.

Acerto: na escolha dos pedreiros e pintores. Ponto para a minha mãe na categoria bom gosto. Erro: contar com a minha ajuda para ajudar a limpar as coisas quando eles vão embora no final da tarde.

Olha, eu sou muito legal. Contem comigo para estar ao lado de todos vocês na alegria e na tristeza, na saúde e na doença. Mas NÃO contem comigo para trabalhos braçais. Sério. Se você perder as pernas num acidente ou porque está diabético (é, aconteceu com uma tia. Que já era manca.) eu vou te indicar uma galera NA BOA para empurrar sua cadeira de rodas e subir com você no colo as escadas da vida. Mas te empurrar... não vai ser a minha. Vou estar ali, ao seu lado. Mas nunca atrás de você te empurrando, enquanto você passeia de carrinho. Não.

Mas sem internet, essa semana, acabei cedendo aos gritos de ódio da minha mãe e resolvi ajudar. Então, lá estava eu carregando UM SOFÁ nas costas, quando minha mãe se deparou com um prato sujo + um copo usado + um resto de pão que deixei de leve no cantinho da sala dia anterior. NADA foi mais agradável e relaxante do que estar com um SOFÁ nas costas e ouvir minha mãe gritar: VOCÊ NÃO COLABORA COM NADA, SEU EXÚ.

Ah, não. Meu... não. Larguei o sofá ali mesmo, peguei o prato e fui lavar. Terminei, rumei pro quarto de visitas pra ver um filminho, joguei minhas pernas pra cima e fiquei. Lindo. Mas mãe que é mãe não consegue deixar nenhum filho em paz. Lá veio ela:

- E o sofá?
- Que sofá?

Então, ela começou a grunhir algumas coisas que não consegui captar e me mandou descer e colocar o sofá onde ele tinha de estar. Jamais. Disse pra ela que esses GRITOS MONSTROS não me assustavam.

PRA QUÊ? P-r-a q-u-ê eu fui falar isso, gente? A minha mãe SURTOU e pegou uma vassoura pra me meter a porrada, enquanto gritava com meu pai ao celular que eu a havia chamado de MONSTRA. "Ele me chamou de monstra, amor. Vou acabar com a raça dele!". Duas horas depois de ficar trancado no quarto - sem nem me mexer, ela veio me pedir desculpas e dizer que estava na TPM e que "ah, você sabe. Eu fico meio descompensada.".

Você? Descompensada? Jura?

Notei não.

pura celebração

Cara, na boa... fiquei quatro dias sem internet e não dá mais, sabe. Eu já tinha meique notado isso de que sem vida online não há vida no dia do apagão. Quando eu estou sem internet todo mundo pode me fazer de bobo. Explico:

Assim que a luz acabou, rumei direto pro telefone desesperado lembrando da ultima vez que faltou luz. Clique aqui para lembrar também. Primeira pessoa que passou na minha cabeça? Leonardo Torres. Uma coisa que é importante saber: eu falo com voz de choro quando estou deprimido. Enfim.

- Leo, estou isolado da civilização, sem luz outra vez. Odeio morar no mato.
- Também estou sem luz.
- Como assim?
- E olho pela janela do meu apartamento e não vejo luz pra nenhum lado. É tipo geral.

Quando ele terminou a ultima frase meu coração virou uma batida eletrônica do ultimo single da Britney Spears e eu só conseguia pensar que quando falta luz SÓ aqui demora umas dezesseis horas pra voltar, se faltou de Niterói até o Meier, esperanças de ver luz tão cedo eu não tinha. Fim dos tempos. Começamos a debater assuntos interessantes, como a vida de Luisa Mell e depois desligamos. Etapa um do apagão. Etapa dois começa. Minha mãe telefona:

- Pablo, tem luz aí?
- Não, mãe.
Já respondi nervoso.
- Hm, aqui tem.
- Como assim, mãe? Onde você tá?
Obvio que eu já estava pensando em migrar pra onde tinha luz. Obvio.
- To numa festa com seu pai, eles tem um gerador aqui. Aí não tem gerador.
- Já percebi que aqui NÃO tem gerador, mãe. Percebo sempre que estamos SEM luz.
- As velas estão na ultima gaveta da cozinha.
Clique - Desliga.

Etapa três: nervos a flor da pele e fosforos em qualquer lugar menos ao alcance dos meus olhos. Sem fosforos, sem velas. Escuro total. Sério, as pessoas inventam relgio-celular, boneca que caga, e tênis que viram patins, mas são INCAPAZES de inventar fosforos florescentes para serem encontrados NO ES-CU-RO, que é quando precisamos deles. Não consigo entender o top de prioridade desses inventores modernos. Eles ficam em casa pensando: "ai, o mundo precisa muito de uma boneca que cague"? Não. O mundo não precisa de bonecas que caguem a papinha delas. O mundo precisa de fosforos florescentes. É só disso que o mundo precisa.

Estresse. Fábio liga.

- Daniel me ligou e disse que uns contatos dele informaram que faltou luz quase no Brasil inteiro e no paraguai também.
- Que contatos são esses que Daniel tem no Paraguai, Fábio?
Estava cada vez mais estressado.
- Sei lá.
- Uhum. Tá bom. Luz faltou pelo Brasil todo e no paraguai também. Afinal, paraguai e Brasil é tudo a mesma merda, né? Faz sentido sim.
Pensando: Era o que me faltava, correntinha de boatos via telefone.
- É sério, Pablo.
- Gente, claro que isso é caô, Fábio. Acorda pra cuspir.

Comecei a sentir falta do google. Celular tocou, recebi uma mensagem do Leo Torres dizendo: "faltou luz em vários estados e no paraguai, parece que é geral". Pensei: Esse boato tá vindo com tudo, vou começar a mandar mensagens repassando ele também. Odeio estar de fora das tendencias. Mandei primeiro pra Mari e pra duas amigas: "Faltou luz no Brasil inteiro, menina. Parece que atingiram o paraguai, o Chile e o Peru. É guerra.". Mari respondeu na hora: "Como assim?" - respondi, fazendo o misterioso: "Abafa e reza.". Ai, gente, eu me envergonho tanto das coisas que faço...

Eu já estava começando a pensar até em ligar pro disk-paquera, caso a luz nunca mais voltasse. Disk-Paquera se tornaria o novo msn. Sem duvidas. Até que a luz voltou. Ou seja, fui correndo confirmar essa historia de paraguai e era verdade. Nem toquei mais no assunto com ninguém, pra não ficar chato pra mim.

Aí nessa ultima semana sem internet, eu estive pensando: as pessoas me ligavam e me passavam varias fofocas de vários conhecidos. Não tinha como conferir se era verdade ou não. Eu confio muito nos meus amigos, mas vai saber. O importante é que eu repassei as fofocas e-x-a-t-a-m-e-n-t-e como foram me passadas: por telefone.

Mals aí aos envolvidos.

fofoqueiro maldito

6.11.09
Não é segredo nenhum que sou a pessoa mais neurótica do mundo. Por exemplo, se eu for falar com você numa festa e você estiver rouco e evitando falar, na minha cabeça a sentença vai ser a seguinte: fui falar com você e você está super frio comigo porque eu devo ter feito alguma merda. Pelo amor de Deus, me perdoe.

Batata.

Semana passada uma amiga muito querida veio me confessar que estava namorando uma menina. Não me abalei porque nesse mundo existem mais ex-héteros do que crianças com fome. Ela me disse que pretendia se assumir e ligar um grande foda-se para qualquer situação nascida disso. Belezinha. Fui comentar, então, com meu amigo Leonardo Torres, que nossa amiga estava namorando uma menina e que ia se assumir.

Olha, eu odeio fofoca - eu juro. Mas assim como todo mundo, não resisto em ficar calado em algumas situações - se você pagar boquete para dez pessoas numa private de 25 convidados, não conte com o meu silencio. Por favor. Porém, eu faço o elegante e quando conto uma fofoca, mando certeiro a seguinte frase para encerrar: "mas ó, que morra aqui".

- Amigo, tá sabendo que sua namorada tá ficando com outro cara?
- Não. Isso é verdade?
- Ela me contou. Mas ó, que morra aqui.

Elegância. Depois de contar o babado pra Leonardo Torres, corri para pegar uma baladinha gostosa. Dancei ao som de várias musicas eletrônicas e bebi várias vodcas na conta de uma amiga mucholoca - que é claro que por estar louca não notou que eu tava roubando a vodca dela. Mas ó, que morra aqui.
Voltei para casa e ao ler as mensagens que me deixaram enquanto eu tava ausente no messenger, lá estava a janelinha da minha amiga piscando e ela me dizendo "ta aí?". Olhei pro subnick dela e num é que tava bem grande escrito "FOFOQUEIRO MALDITO"? Menino, gelei. Pensei: fo-de-u. Fofoqueiro E maldito só pode ser eu. 2 + 2 = 4. Não dá outra.

Comecei a pensar no que ia falar, sem nem mesmo saber o que ela iria me jogar na cara. Tenho sempre umas respostas padrão muito demais para qualquer tipo de situação onde eu não sou vitima. Exemplo:

- Você roubou meu namorado!
- Eu não. Sou vitima.

Err. Mas então, passei a madrugada em cólicas, imaginando que o dia seguinte seria de muita dor de cabeça e confusão: adoro. Mas que nada. Acordei e o fofoqueiro maldito era outra pessoa e o que ela queria era me convidar pra sair. Situação chata.

Não é segredo nenhum que sou a pessoa mais neurótica do mundo. Tente ser sempre claro e ser carinhoso o tempo todo, senão eu surto e saio por aí chorando dizendo que você só me usou e roubou meu carinho. Coisas que aprendi assistindo as novelas do SBT nos anos noventa. Eu deveria ter nascido com um aviso:

Favor manter distancia, sentimentalmente perigoso - pessoa descompensada. Obrigado.

Os resolvidos

5.11.09
Me resolvi com a minha prima que virou fanática religiosa. Chegamos a conclusão de que Deus tem feito mesmo coisas boas por ela. Gente, se ela não curte mais mostrar os peitos quando está bêbada, bôra respeitar. Se ela não curte mais entrar em banheiros públicos com estranhos, bôra entender. Nossa conversa foi muito decente e civilizada.

Ela veio me dizer que tudo que ela pode fazer por mim é orar e pedir clemencia a Deus por minha alma. Cara, de boa. Quando eu ouvi isso meu sangue ferveu e eu virei Cláudia Leitte quando é acusada de imitar Ivete Sangalo. Uma fera sem razão e sem critérios. TIVE de lembrar a ela que ela pesa mais de 100 quilos e que se pesar mais de 100 quilos não é estar no pecado da gula não sei mais o que é. Cara, se ela parar de comer por UM DIA, vamos resolver nosso problema com a fome na Africa. Ela trata mais daquele cabelo que Gloria Maria, Taís Araújo e Petra Gil juntas e que se isso não for o pecado da vaidade, não sei mais o que será o pecado da vaidade. Sério. Vivendo essa vida cheia dos pecados ela quer vir falar mal de quem curte cometer UM PECADINHO leve, ou seja, dar o cu? Gente, pelo amor, isso num faz sentido não. (às vezes eu me pergunto se não é pecado ser assim que nem eu, tão fino) Nessas ela me chamou de bicha dissimulada, eu a chamei de obesa mal amada e nos abraçamos emocionados. Ah. As várias faces do amor. Nós percebemos que se eu sou homossexual (cara, essa expressão me-ma-ta) e ela é Evangélica, nós dois estamos errados e pecando. Finalmente, estávamos resolvidos.

E eu avisei pra ela: Mari, amiga, cuidado. Deus não é flor que se cheire. O cara inventou a AIDS, O CÂNCER E A DIARREIA. Não sei se isso é ser do bem, mas não confio muito. Sem contar que ele mandou o filho legitimo pra terra e o desgraçado do menino só foi perseguido, passou fome, levou mais chicotada que Xica da Silva e quando tava todo fodido na cruz pedindo clemencia o que rolou? Levou uma espadada na barriga pra calar o bocão. Fico pensando no que está reservado para nós que também somos filhos dele e me consome o medo. E nem vou comentar isso de pragas, gente que foi transformada em estatua de sal e a chuva que matou geralzão afogado porque senão nego vai dizer que eu apelo pros clichês. Vô bem ficar na minha.

Sabe, na sinceridade, eu acho que o mundo seria um mundo bem melhor se todos nós virássemos Xintoístas, mas ninguém nunca me ouve. Então, beleza. E eu não sei se Deus está operando na sua vida, mas CERTEZA está na de Mari. Separei umas fotos da antiga Mariana para deixar aqui a mensagem de que YES, milagres acontecem.

Da esquerda para a direita: Mari e Lisa, carnaval 2009. Finesse.

Da esquerda para a direita: os cabelos de Mari e Mari.

Hoje em dia:

Mariana, 17, ex-alcoólatra atual dependente de química capilar. Oops.

Haiô Baby do Brasil. Thanks, god.